Procurar emprego grávida: saiba como

Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Procurar emprego grávida

A gravidez tende a funcionar como um grande obstáculo à procura de emprego. Temos um mercado um tanto ou quanto discriminatório, caracterizado por empresas que, frequentemente, veem a mulher grávida como um mau investimento e um risco que preferem não correr.

O principal motivo que leva uma empresa a evitar a contratação de grávidas é o receio de não poder contar com o nível de disponibilidade e dedicação pretendidos. Uma mulher grávida precisa de ir ao médico mais regularmente, tendo assim de se ausentar do seu trabalho. À medida que os meses passam, poderá também revelar-se menos apta para a execução de certas tarefas, acabando assim por prejudicar a produtividade da empresa. E por último, a licença de maternidade é algo com o qual muitas empresas não querem lidar. 

Apesar do preconceito persistir, a realidade é que uma mulher grávida está, na maior parte das vezes, perfeitamente apta para trabalhar.

É verdade que com uma trabalhadora nesta situação a empresa poderá enfrentar mais alguns imprevistos do que enfrentaria com um trabalhador numa situação normal, mas isso não deverá nunca servir como motivo para impedir uma mulher grávida de ter acesso a um dos seus principais direitos, que é o direito ao trabalho.

Não há forma de garantir que consegue contornar todo o preconceito atualmente existente no mercado, mas existe um conjunto de boas práticas que, quando devidamente adotados, poderão aumentar significativamente as probabilidades de vir a arranjar um emprego. 

Seja realista e opte por algo à altura das suas capacidades

O tipo de trabalho que uma grávida conseguirá ou não fazer irá depender muito da fase da gravidez e do estado físico da pessoa em questão. Há grávidas com uma mobilidade e resistência muito maior do que outras. O importante é conhecer-se a si própria e determinar cuidadosamente que tarefas se sente capaz de executar. Ao candidatar-se a cargos menos exigentes estará também a reduzir as probabilidades de ser rejeitada.

Utilize os seus direitos como argumento

A melhor forma de se proteger contra discriminação é conhecendo os seus direitos. A discriminação contra grávidas nem sempre é admitida pela entidade empregadora, mas poderá haver ocasiões em que, durante a entrevista, a sua gravidez seja abordada como um obstáculo no acesso ao cargo  para o qual pretende concorrer.

Sempre que seja levantado algum problema relativamente à sua gravidez, é importante saber defender-se, referindo que, negarem-lhe o acesso ao emprego por estar grávida é uma violação do código de trabalho, como referido no Artigo 24º, que protege o direito à igualdade no acesso a emprego e no trabalho.

Não mencione a sua gravidez

É importante saber que não é obrigada a referir que está grávida. Muitas mulheres cometem o erro de referir o seu estado logo durante a entrevista, o que acaba por influenciar a decisão da entidade empregadora. A menos que seja impossível esconder, certifique-se de que não o menciona, e se possível, vista algo que torne o menos evidente possível o facto de estar grávida. Se lhe perguntarem, não terá de responder. Este é um direito seu, abrangido pelo Artigo 17º do código de trabalho. Seguindo esta dica, a sua gravidez deixará de ser um factor na avaliação das suas candidaturas.

Invista na sua imagem

Quer queiramos, quer não,a imagem é um factor de grande relevância no acesso a muitos cargos profissionais. Assim sendo, é importante que vá para uma entrevista sempre no seu melhor. O objectivo deverá sempre ser ficar o mais apresentável possível.

Dê atenção ao seu CV

Um bom CV é meio caminho andado no acesso a uma entrevista de emprego. Seja sucinta, mantenha o seu CV o mais relevante possível para o cargo em questão, evitando demasiada informação irrelevante, como é o caso de formações em áreas sem qualquer relação com o trabalho que pretende, e faça questão de destacar de imediato as características que a poderão diferenciar dos restantes candidatos. Evite um CV com um grafismo e vocabulário demasiado comuns. Se necessário, peça ajuda a um amigo ou familiar que perceba bem do assunto ou seja criativo. O importante é certificar-se de que o seu CV foi muito bem pensado, e formulado com muita ponderação. 

Considere trabalhos por conta própria

Freelancing e empreendedorismo deverão sempre ser opções colocadas em cima da mesa. Mesmo que não consiga arranjar um emprego, poderá tentar fazer dinheiro como trabalhadora independente, caso tenha algum talento específico. Se for muito boa a fazer bolos, por exemplo, poderá pensar em vendê-los. Se tiver formação numa área com procura, poderá dar explicações. Na realidade, as opções são imensas, e com uma boa sessão de brainstorming talvez consiga ter uma boa ideia para fazer dinheiro. 

Alguma dúvida? Diga-nos abaixo.

Deixe um Comentário